Deep Blue


1 comentário

Noturna

Perdi o sono. Procurei no Facebook, na sala, na cozinha, no sofá do escritório. Nada. Pedi para a minha gata buscar pra mim, mas ao invés disso, ela mordiscou o meu pé,  me convidando para brincar na madrugada. Meus cães, por outro lado, dormiam profundamente. Tentei caminhar descalça pelo piso frio do meu apartamento, buscando algum tipo de alívio para o calor insuportável do fim de dezembro. Água gelada. Contemplei meu filho que se aproxima dos doze anos à velocidade de causar vertigem. Adormeceu em cima do celular e do tablet. Adolescência na segunda década do século.  Lembrei dos meus últimos textos sobre o desapego. Foi ele quem me ensinou a arte. Difícil e libertadora arte do desapego. Tentei, em vão, ligar meu laptop (escrevo do celular para o meu blog, o que me causa enjoo da vida moderna). O laptop morreu. O carregador morreu depois de agonizar nos últimos dias. Onde pesquisarei técnicas para os próximos desenhos até encontrar novo carregador? Assisti ao sol derretendo a noite. Voltei pra cama, seguida da gata. Assisti ao meu marido despertar e sair para o trabalho. Agradeci por não ter conseguido dormir nas férias. Agarrei meu livro na esperança de arrancar das páginas, o sono.  E confirmei o que já desconfiava. Sou definitivamente noturna.